sábado, 11 de dezembro de 2010

então..

O céu amanhecendo, começa a ganhar seus tons azulados.

Meus olhos se abrem calmos e a primeira coisa que vêm a mente, não é bem uma “coisa”, é uma pessoa, é “ele”.
Os pés relutantes saem da cama, silenciosamente descem as escadas, ligam a máquina que o traz em alguns segundos para perto.
A foto, as palavras, as não palavras, as pertinentes expectativas.
O dia se vai, ela acompanha ele, em algum lugar, distante.
Na rua pessoas, pessoas invisíveis.
Transporta a elas o rosto dele.
Fecha os olhos e lembra, vê e sente.
Quando os abre os braços desaparecem e tudo volta ao normal, aparentemente.
Mas surge então uma nostalgia amarga e forte.
E a presença da ausência parece mais clara.
Não sente mais o gosto do último beijo, nem seu cheiro, nem o som da voz, o tocar de suas mãos..
Mas principalmente, não consegue sentir o sentimento dele..
Os dias passam, com eles o tempo, consigo a distância das palavras.
A distância do que era tão necessário a pouco tempo.
Mas ele ainda está ali em todo amanhecer, durante o dia e quando a noite cai.
Ele ainda se faz presente nos devaneios e faz com que todo o resto perca a importância.
Pensar nele é o conforto de cada momento difícil.
E pensar que logo vou ter os verdadeiros braços por perto, afasta um pouco a nostalgia.
Mas estes dias parecem décadas e esse silêncio sufoca.
Algumas pessoas são sim um tanto quanto frias, mas não significa que gostem que sejam com elas.
Eu tenho superado algumas limitações, mas não parecem relativas.
Por que elas soam como perguntas sem respostas.
E no momento então não sei em que pensar e como agir.
Devo seguir?

8 comentários:

  1. O texto ganha um ritmo muito bom durante o seu desenvolvimento...

    Parabéns pelo blog .

    ResponderExcluir
  2. Por que não seguir?
    Penso que devemos sempre nos arriscar, só assim saberemos se algo vale a pena ou não.

    ResponderExcluir
  3. "Desejo que você
    Não tenha medo da vida, tenha medo de não vivê-la.
    Não há céu sem tempestades, nem caminhos sem acidentes.
    Só é digno do pódio quem usa as derrotas para alcançá-lo.
    Só é digno da sabedoria quem usa as lágrimas para irrigá-la.
    Os frágeis usam a força; os fortes, a inteligência.
    Seja um sonhador, mas una seus sonhos com disciplina,
    Pois sonhos sem disciplina produzem pessoas frustradas.
    Seja um debatedor de idéias. Lute pelo que você ama."

    Augusto Cury

    Siga por você, siga por ele, siga por aqueles lindos olhos verdes que só ele tem! Siga! ;)

    ResponderExcluir
  4. O texto ganha uma intensidade muito boa
    parabens pelo blog
    abraços.

    ResponderExcluir
  5. Adoro o que e como escreve. Eu, que me sinto tão preguiçosa diante de textos maiores Sempre busco em le-los mesmo assim.. Li esse e gostei... Gosto de textos assim.. Beijo e abraço

    ResponderExcluir
  6. "a presença da ausência", esse paradoxo doloroso que, infelizmente não só é possivel, mas também é constante na vida de quem sente saudade. gosto de seu jeito leve de escrever, me acalma, por mais triste que sejam as palavras.
    beijos e obrigado por visitar e comentar o ébrio!

    ResponderExcluir
  7. Parabens ... você escreve mesmo muito bem ....



    http://changefeeling.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Assim como o rapaz acima adorei esse parodoxo, afinal adoro parodoxo... "E a presença da ausência parece mais clara." parabéns o texto foi de uma sutileza incrível...

    www.alquimistadosaber.blogspot.com

    ResponderExcluir







"Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente. A gente muda o mundo na mudança da mente. E quando a mente muda, a gente anda pra frente E quando a gente manda, ninguém manda na gente. Na mudança de atitude não há mal que não se mude, nem doença sem cura.Na mudança de postura a gente fica mais seguro.Na mudança do presente a gente molda o futuro.."


Gabriel o Pensador