domingo, 25 de março de 2012

As mil em uma.

Toma seu banho demorado, respira fundo encharcada, transbordando inquietações.
Se enrola na toalha, atrapalhada olha no espelho, não reconhece o que vê.
Não gosta, não aceita.
Limpa a cara deslavada, tira o resto da mascara de ontem, os resíduos de uma noite que já não é tão agradável como parecia ser.
Seca o cabelo, agora se sente um pouco melhor, prende desajeitado e começa a pintar a nova mascara do dia.
Mas essa não fica perfeita.
O olho insiste em borrar, nada esconde suas cicatrizes, o batom não deixa seus lábios atraentes, o rosado de suas bochechas estão mais pra circo do que charme.
Vai a procura da tal "roupa ideal", experimenta essa, aquela, talvez esteja errando na combinação, essa me deixa gorda, a outra muito magra, essa me apaga, a outra aparece demais, essa não é apropriada, céus! não tenho roupa! desespera.
Nada é suficiente para caso encontre o alguém que se quer conhece, a quem deve impressionar caso não queira continuar em uma carência nervosa ou o que?.
Tudo dá errado, ela desiste, não sai.
Liga para as amigas, está com cólica, ou algo assim, essa desculpa sempre funciona, mas no fundo ela sabe que não quer que ninguém a veja assim, como? Quando ela se sente a pior das piores.
E neste caso minha amiga, não adianta milhares de elogios e comparações, não adianta o melhor vestido, nem mil declarações, ela precisa ficar em casa.
Por que toda mulher, ao menos, tem o dia em que acorda, olha no espelho e pensa "hoje não é meu dia", quando só queria ficar invisível ou se enfiar no primeiro buraco que achar e não me venha dizer que isso é falta de confiança, baixa auto-estima ou o escambal, isso é real, natural e faz parte da batalha árdua e incompreensível do "ser" mulher.
Mas também tem aquele dia que ela acorda apressada, nem olha no espelho, toma um banho rápido, põem a primeira roupa que vê, um lápis no olho, aquele tênis bem velho, sai correndo porta afora, esbarra em um cara na rua, ganha o olhar mais fundo e fatal e se sente a pessoa mais linda do mundo.
A beleza é relativa, como a dona da beleza se sente também é variável, então em uma mulher mora no mínimo umas mil, isso me faz pensar como pode alguns homens se enjoarem tão fácil de mil em uma?
Acho que não tem é paciência pra conhecer as várias, é só pra quem pode, só pra quem realmente merece elas se mostram, mas nunca por completo, nenhuma mulher se revela completamente.
Tomara que essa fase moderna mude logo, passe do estágio "aparência, físico e próximo!", se não será mil mulheres em uma e nada pra mostrar, sem chance, sem tempo, sem motivação.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Leve e doce.

O coração dela foi ferido.
Não de propósito, eu sei.
É a consequência da intensidade, a fatalidade.
Alguém vai sentir de uma forma ou de outra, algum dia.

Estamos predestinados a isso.
Precisamos sentir, esfriar, esquentar, transbordar.
Ir até o último pra ver no que vai dar.

Eu pago pra ver, quando sinto que não estão blefando
Mas as vezes o blefe é bem mascarado.
As vezes o golpe vêm no momento e de quem não se esperava.
E aí a minha cara de boba fica bem clara.

Os primeiros segundos são uma inundação de perguntas
Um Deus nos acuda.
Tristeza, indignação, raiva, medo, insegurança.
O mundo desaba, mas logo volta pro lugar.

Os dias, semanas, meses vão passando..

Eu vou esquecendo por que aquilo doía tanto.
Eu não lembro o motivo do choro, eu lembro do riso.
Vai transbordando compaixão e entendimento.
As razões não são claras, mas os fins são agora interessantes.

Tudo tem seu tempo, isso parece uma verdade cada vez maior.
Minha proporção neste momento é gigantesca e minimizar meu "eu" está fora de questão.
Preciso ocupar meu espaço no espaço infinito, não posso prender essa vontade.

Resta aqui um carinho pelo passado, uma sede pelo futuro, um amor ao meu presente.



sábado, 3 de março de 2012

Necessidade de mudança contínua.


 Lendo meu precioso livro "Na natureza selvagem", me deparo com a frase: "necessidade de um objetivo", foi rabiscada por McCandless, no canto de um de seus livros e ler essa frase, assim como todo o livro em voz alta e sozinha, me faz perceber que minhas ideias e aspirações pro futuro são muitas e estão definitivamente embaralhadas em minha cabeça atrapalhada, preciso organizar meus sonhos, para que possa realiza-los.
 As vezes eu sinto que penso muitas coisas diferentes ao mesmo tempo e de repente a cachóla começa a pifar, sai uma fumacinha e foge tudo, apaga a tela.
 Reinicio, mas os arquivos não foram salvos, é um tal de começar tudo outra vez, folha em branco, palavras que surgem não sei de onde e vão se encaixando..
 É essa vontade de viajar o mundo todo, de aprender conhecendo, tocando, sentindo, estando diretamente ligada ao meio que me interessa, mas tem também aquela coisa que nasceu comigo, a vontade de ser independente, me virar sozinha, mostrar pra mim mesma que sou capaz de cuidar de mim, o não ter que bater na porta dos outros, não ter o zumzumzum no ouvido, porém nem tudo são rosas e ter que ralar por tudo isso torna os ganhos mais valiosos.
 "A vida não é vida sem problemas", não é questão de graça, nem provação, nem questão de mostrar quem é mais resistente.., é uma questão de evolução.
 Evoluído é o ser que vê em seu problema a solução pra outro, uma oportunidade de crescimento, um aprendizado, o lado bom do seu pior estado.
 Claro que podem me dizer: "-Quem é tu pra falar isso? Não sabe o que é sofrer, não sabe o que é levar uns belos ponta pés da vida.."
Mas ninguém me conhece, assim como eu não conheço plenamente ninguém, eu sei dos tombos que levei, mas não preciso gritar pro mundo ouvir, não preciso que passem a mão na minha cabeça, não quero nada disso!
Eu quero mais! Mais desafios, mais tormentas, mais montanhas aparentemente impossíveis de serem escaladas, pois são nestes momentos que me sinto mais viva, que dou mais valor a vida, que vejo que a dor ainda pode existir e não pense que é o fim do mundo senti-la, tem seu lado doce também.
 Nestes momentos procuro mais a minha própria companhia e é bom refletir consigo mesma, a solidão só é completa quando não suportamos a própria presença, eu não só gosto, como necessito de minha companhia.
 Não tenho muitas certezas na vida, não sei onde vou estar e o que estarei fazendo em um ano, nessa minha pouca vivência aprendi que planejar muito o futuro pode ser muito frustrante, o caminho esta sempre mudando de acordo com nossas escolhas, atitudes, tenho a certeza de que não vou ficar parada, tenho muita energia de vida pra gastar, muitas pessoas e lugares a conhecer, quem ajudar, o que aprender, quem sabe ensinar, meu objetivo de futuro é aprender muito, sempre!
 Aprender não apenas a teoria das coisas.
 As vezes eu olho minha forma de vida, minhas opções, gostos e vejo que de alguma forma me encaixo em todos os grupos por alguma semelhança e em nenhum por não ir de acordo em vários aspectos com cada, então não sei se sou uma mistura de tudo e um pouco de mim, ou não faço parte de nada e sou uma outra coisa.
Mas enfim, muitas perguntas que um dia terão suas respostas, no momento certo.
"É muita dor pra pouca cabeça", preocupações fúteis e deixam a mente ali ainda pequena, sem uso, guardando pra não gastar os neurônios?  Quando morrer não vão servir para mais nada mesmo, não precisa  de economia, precisa de alimento, de cultura, conhecimentos.
 Vou mudar a frase: "necessidade de mudança contínua."






"Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente. A gente muda o mundo na mudança da mente. E quando a mente muda, a gente anda pra frente E quando a gente manda, ninguém manda na gente. Na mudança de atitude não há mal que não se mude, nem doença sem cura.Na mudança de postura a gente fica mais seguro.Na mudança do presente a gente molda o futuro.."


Gabriel o Pensador