domingo, 25 de março de 2012

As mil em uma.

Toma seu banho demorado, respira fundo encharcada, transbordando inquietações.
Se enrola na toalha, atrapalhada olha no espelho, não reconhece o que vê.
Não gosta, não aceita.
Limpa a cara deslavada, tira o resto da mascara de ontem, os resíduos de uma noite que já não é tão agradável como parecia ser.
Seca o cabelo, agora se sente um pouco melhor, prende desajeitado e começa a pintar a nova mascara do dia.
Mas essa não fica perfeita.
O olho insiste em borrar, nada esconde suas cicatrizes, o batom não deixa seus lábios atraentes, o rosado de suas bochechas estão mais pra circo do que charme.
Vai a procura da tal "roupa ideal", experimenta essa, aquela, talvez esteja errando na combinação, essa me deixa gorda, a outra muito magra, essa me apaga, a outra aparece demais, essa não é apropriada, céus! não tenho roupa! desespera.
Nada é suficiente para caso encontre o alguém que se quer conhece, a quem deve impressionar caso não queira continuar em uma carência nervosa ou o que?.
Tudo dá errado, ela desiste, não sai.
Liga para as amigas, está com cólica, ou algo assim, essa desculpa sempre funciona, mas no fundo ela sabe que não quer que ninguém a veja assim, como? Quando ela se sente a pior das piores.
E neste caso minha amiga, não adianta milhares de elogios e comparações, não adianta o melhor vestido, nem mil declarações, ela precisa ficar em casa.
Por que toda mulher, ao menos, tem o dia em que acorda, olha no espelho e pensa "hoje não é meu dia", quando só queria ficar invisível ou se enfiar no primeiro buraco que achar e não me venha dizer que isso é falta de confiança, baixa auto-estima ou o escambal, isso é real, natural e faz parte da batalha árdua e incompreensível do "ser" mulher.
Mas também tem aquele dia que ela acorda apressada, nem olha no espelho, toma um banho rápido, põem a primeira roupa que vê, um lápis no olho, aquele tênis bem velho, sai correndo porta afora, esbarra em um cara na rua, ganha o olhar mais fundo e fatal e se sente a pessoa mais linda do mundo.
A beleza é relativa, como a dona da beleza se sente também é variável, então em uma mulher mora no mínimo umas mil, isso me faz pensar como pode alguns homens se enjoarem tão fácil de mil em uma?
Acho que não tem é paciência pra conhecer as várias, é só pra quem pode, só pra quem realmente merece elas se mostram, mas nunca por completo, nenhuma mulher se revela completamente.
Tomara que essa fase moderna mude logo, passe do estágio "aparência, físico e próximo!", se não será mil mulheres em uma e nada pra mostrar, sem chance, sem tempo, sem motivação.

Um comentário:

  1. Adorei o texto! Bem verdade o que você disse,somos mil em uma e ninguém tem a paciência de entender nem 500 de nós mesmas...E se eles não querem entender,a gente não precisa ter a motivação de mostrar,neah?!
    Muito legal.

    ResponderExcluir







"Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente. A gente muda o mundo na mudança da mente. E quando a mente muda, a gente anda pra frente E quando a gente manda, ninguém manda na gente. Na mudança de atitude não há mal que não se mude, nem doença sem cura.Na mudança de postura a gente fica mais seguro.Na mudança do presente a gente molda o futuro.."


Gabriel o Pensador