terça-feira, 25 de setembro de 2012

Sabe, acho que escrevi.

Sabe, deu uma vontade de escrever
De dizer pra esse meu canto o quanto a vida surpreende
Que estar contente é estado de espírito e momento também.

E que não importa as crenças do fulano, eu sei que é destino sim.
Eu sei que em algum canto, em outro mundo, uma pessoa criativa
escreve a minha história, cada linha, cada esquina.

E tá tudo ali, me esperando, vem chegando, de mansinho.

Por isso eu ando calminha, eu caminho tranquila, desespero pra que?
Vai acontecer o que tiver que acontecer e eu não vou maldizer.
Vou agradecer, sim!
Ué!, tanta coisa boa pra olhar, do que as ruins.
Por que justo as ruins?
Gente mal agradecida!

E me deixa vai, eu acreditar no que eu quiser, eu também te deixo em paz.
Se eu quiser no meu mundo tem fada, tem duende e sonhos se realizam
Se eu quiser eu não morro, reencarno em um passarinho.
Se eu quiser eu viro eterna, eu durmo e viro um panda até!

Deixa eu ir no show daquela banda que eu adoro e  nenhum amigo conhece
Cantar até ficar rouca, pular bem alto no salto.
Deixa eu pintar o olho pra ir na padaria.
Deixa eu visitar uma tia e comer uma barra inteira de chocolate sozinha enquanto conto uma piada.
E por favor, ri da minha piada, mesmo que sem graça.

Não me pede pra desistir dos meus sonhos e não deixa eu desistir.
Deixa eu reclamar um pouquinho, mas bem pouquinho.
Quando eu estiver emburrada me faz rir, eu não resisto.
Não me deixa sozinha no escuro do domingo com chuva,
eu vou por uma música triste e ficar o dia todo na cama.

Toma banho de chuva comigo, faz o jogo do sério.
Tu tropeça, eu solto uma gargalhada, mas não vou te deixar no chão.
Nunca.
Eu caio junto e te ajudo a levantar e quando levantar a gente ri junto desse tombo.
Tá?!

Sabe eu acho que fui eu que escrevi essa história toda um dia.
Eu disse como a minha próxima vida ia ser vivida.
Mas deixei um espaço em branco, pro acaso tratar de preencher.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Pra ti, ó.


A mão suave ajeitando meu cabelo atrás da orelha.
O olhar que me deixava sem jeito e me fazia desviar.
O abraço que me fez esquecer por que sentia medo.
Medo de que?

Vai saber.

-Eu já não sei.

As vezes queremos nos libertar, mas não se sabe exatamente do que.

Em um dia lotado, porém vazio, me encontrei em você.
Me vi em seus olhos.
Senti em tua boca o que não precisava mais dizer.

Deitada em teu peito eu descanso tranquila
Meu riso é fácil perto de ti
Não posso evitar quem me faz bem.
Nem quero, não vou!

Acho que me libertei, da solidão.

Aprendi que procurar é sinônimo de achar o que não está procurando.
Quando procurei por mim, achei a ti.
Em uma esquina qualquer, no meio da multidão.

E aquele moletom tão velho e azul.
Que hoje eu te imploro pra tirar
Foi o pioneiro do toque
Foi quem encorajou a aproximação.

Contra vontade de alguns
Com quase nada em comum
Continuamos a nos ver
É tão bom te conhecer, a cada dia
Um pouco mais e mais.

Um certo dia eu duvidei
A cabeça inundou
Eu tentei te afastar de mim
Mas já era tarde
Só depois eu percebi.

Tu já estava aqui.
Fez falta
Me fez perceber o bem que me fazia
A tua ausência trouxe agonia

Hoje eu não fujo.

Preciso de uma massagem relaxante
Um beijo de boa noite
Alguém que queira me ouvir
Assistir aquele filme de terror
Alguém que fique feliz por estar ao meu lado.

Fica um pouco mais, quando eu disser pra ir.
Não vai tão longe, deixa eu alcançar.
Pega minha mão, aperta forte e não solta.

Eu estou feliz ao teu lado, sim.
Nós somos bobos, e dai?
O que os outros tem a ver com isso?.




"Vence quem passa por essa vida rindo. E se o preço que se paga por ser um pouco feliz é ser um pouco idiota, DANE-SE." Tati Bernardi









quinta-feira, 24 de maio de 2012

Salto, drink e solidão.



Percorre as lojas em busca do vestido perfeito, combina com aquele salto (o mais alto), hidrata o cabelo a semana inteira, nas unhas aquele vermelho provocante, a argola da maldade, o perfume do pecado, a maquiagem impecável, cabelo mais liso que pele de neném, toda produzida, pronta para matar, aquela "tem que ser a noite".
Encontra as amigas, fazem a aquecida do álcool animação.
Chegam na festa, mais uma dose por favor!
Pista, gargalhadas, a dancinha sensual, olhares de caça.
Outra dose, ainda não estou animada o suficiente.
Alguém se aproxima, passa a mão, ela se irrita, responde um palavrão.
Sobe as escadas trocando os pés, vai direto ao bar, enche o copo, por favor!
Uma piscadinha pro menino do bar, se joga em uma cadeira e abaixa a cabeça, vomita sem perceber, não se envergonha, ri mais ainda, sem parar.
Empurra a amiga, água o que você está pensando?
Não volto pra casa antes das seis!
Volta para pista, mais um copo na mão, agarra o primeiro que passa, aquela junção de álcool, saliva, vômito, cigarro, chiclete sem gosto, batom.
Beijo ruim, mão boba, adeus.
Encontra as amigas, dança mais um pouco, outro alvo avistado, mais uma junção de bocas e intimidade rápidas, seguido de um olhar estranho e vira costas de "não te conheço".
-Dj por favor, a minha música ok?
Dança freneticamente, que nem uma louca, quer liberar todos seus demônios naquela noite, quer entregar seus problemas a seu gole de vodka, quer se camuflar no meio de pessoas aparentemente muito alegres e sentir que aquilo pode se resumir a real felicidade de toda semana, afinal ser feliz nas noites de sexta e sábado já é válido né? Melhor que nada!?
A pista esvazia aos poucos, hora de sair, deixa no caixa a metade do salário de um mês, dinheiro bem gasto, não é?.
Mais uma cervejinha do barzinho, pega o táxi, adeus.
Desce sozinha, cambaleando, abre a porta, cai, levanta, faz barulho, acorda seus pais.
Vai até seu quarto, olha no espelho, o vestido lindo rasgado, o salto mais alto nas mãos, os pés imundos, cabelo embaraçado, dor de cabeça, maquiagem borrada, ânsia de vômito e principalmente a solidão.
Senta na cama e relembra da "noite" e pensa que não foi exatamente como imaginava..
Aquele alguém que esperava conhecer, não apareceu, tem um gosto estranho na boca, tem certa vergonha e arrependimento, talvez essa felicidade de fim de semana não seja assim tão atrativa..
Ela sabe que não é, daria tudo para não ter a única opção de se entregar a felicidade das madrugadas, queria mesmo aquela felicidade de todos os dias, de não ter a agenda cheia, mas sim o coração.
Ela queria mesmo poder passar a sexta em casa, assistindo filme de conchinha e comendo pipoca doce.
Ela queria acordar no meio da noite com frio e receber um abraço quentinho e um beijo apaixonado.
Mas são escolhas que ela e outras tantas fazem, que sem que percebam as deixam infelizes e sozinhas, iludidas em suas festas vazias, querendo ou não, elas escolheram.
Um desamor pode até parecer curar em baladas, mas é ilusão, só um novo amor cura, refaz, traz de novo aquele riso verdadeiro.




Obs: Não estou insinuando que seja ruim sair, mas achar que sair todo final de semana vai te completar de alguma maneira é uma puta ilusão.
Financeiramente e emocionalmente falando, não há festa que dure para sempre, além da dor de cabeça, pode acordar com um baita arrependimento do que fez ainda alcoolizada e não há banho e removedor que apague isso, muito menos aquelas fotos comprometedoras que podem surgir e a fama que de repente pode ganhar, o dinheiro some e amigos de noite você sempre vai encontrar, dá uma chance a quem te quer bem não só no fim de semana, mas segunda, terça, quarta e quinta também.. Deitar na grama no domingo e escutar que é importante para alguém é muito melhor do que qualquer noite, pode acreditar.


"Mas de que adianta sair para festa e voltar para casa sempre com o coração vazio? Caio Fernando"


domingo, 20 de maio de 2012

Caneta, erros e rabiscos

Sabe aquela sensação de receber uma carta com seu nome escrito a mão e um selo escolhido com carinho?
Uma carta com palavras pressionadas tão forte pela caneta, que deu pra sentir o que a pessoa sentia enquanto escrevia.
Abrir com toda delicadeza do mundo, para não danificar um documento tão raro e que expresse tanta atenção e autenticidade.
Perceber verdade e vestígios humanos, talvez um perfume, a marca de um beijo..
Pois é, eu não sei qual é a sensação.
Ao invés de um presente, ao invés de uma mensagem virtual, ou mesmo uma ligação rápida e objetiva, eu queria uma carta.
Sincera, marota, eu queria a verdade escondida lá no fundo do peito, embriaguez de coragem e verdades vertidas, me transbordasse de nostalgia, me fizesse com as letras soltas, voltar a um momento que já não recordo.
Receber notícias de uma pessoa querida que está longe e sentir que ainda é importante.
As vezes essa inundação de tecnologia, essa quantidade de mudança constante me incomoda, certas coisas não deveriam sair de nossas vidas.
A atenção e sensibilidade, o querer fazer algo e realmente fazer, tato, contato, olfato, precisamos sentir e transmitir o que sentimos.
Preciso ouvir um pouco, enxergar, conversar, tocar, a moda antiga, a moda real, do jeito que tem de ser feito.
Talvez voltar a escrever a mão, onde havia paixão.

domingo, 29 de abril de 2012

Sugestão do dia.

Pra animar esse domingo fechado, Clarice Falcão e sua linda voz.


Vazio e frio.

A cama fria, na escrivaninha o frasco de perfume vazio.
A cama vazia e o frasco frio.
O céu desbotado de um dia banhado a ressaca e inundações de "poréns" e "e se".
A bagunça não é só no meu quarto, não são apenas as roupas que estão jogadas, os papéis amaçados e sapatos trocados, minha vida também anda em desordem.
E quando nem eu sei ao certo o que quero?
Fico vulnerável a possibilidades, a conselhos gratuitos, porém insignificantes, nada disso é o que procuro, mesmo não sabendo do que estou atrás.
Mas quem disse que preciso saber?
Preciso de um bloquinho totalmente planejado?
Preciso mesmo corresponder a expectativa de pessoas que nem se importam se me sinto feliz?
Poupe-me um pouco.
As vezes a cabeça parece mesmo que vai explodir.
Eu tenho meu tempo e ele não é o mesmo do relógio, eu não corro como as pessoas lá fora, gosto de fazer as coisas com calma, não tente me apressar, isso me faz parar.
Minha sinceridade pode machucar, mas eu prefiro que seja assim, não consigo esconder nada por muito tempo mesmo, acho que não serviria para ser atriz.
Atire a primeira pedra quem nunca errou, me ofereço ao julgamento apenas a quem nunca foi pego pela impulsividade, do contrário sem demais.
Que graça teria se pudéssemos voltar no tempo e desfazer os erros?
Não aprenderíamos nada, não teríamos as sensações e sentimentos tão necessários, mesmo que pesados ou negativos.
Longe da perfeição, com muito orgulho, sim.
Não há o que poderia ter sido, há o que passou, o que faremos com o hoje para traçar o amanhã.
A cama revirada de sonhos, o frasco pedindo para ser substituído.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Opps.

Sabe quando tu para um pouquinho pra pensar sobre decisões que tomou na vida e na influência que algumas pessoas tiveram sobre elas?
E de repente percebe que se importou demais com o que as pessoas achavam, deixou de fazer coisas e afastou pessoas que te faziam bem, por medo, por olhar pelos olhos dos outros, por deixar que palpitassem em sua vida, em sua felicidade e viu que aquelas pessoas tinham medo de te perder, era ciúme, era inveja, seja o que for, eles não tem  o direito de te privar da felicidade.
Chega um momento que se torna inevitável, é preciso cessar todas as vozes em volta, deixar os conselhos de lado, deixar as opiniões e centrar no que te faz bem, no que realmente quero pra minha vida "EU!", não minha família, amigos, vizinhos, conhecidos e o escambal.
Por que os "outros" continuam com suas vozes, mas seguem suas vidas e se eu ficar a vida toda precisando da opinião alheia para tomar decisões a vida não vai ser minha e sim a soma das escolhas que outras milhares de pessoas fizeram por mim e no fim eu vou acabar me frustrando por ter deixado que me influenciassem e o pior por desejar que comandassem minha vida.
Quando desde a escolha de uma roupa, até o fim ou começo de um relacionamento é preciso consultoria as olheiras de plantão, é por que o caso já está crítico
Aquelas vozes que te dizem "não faça isso, não dá dinheiro, você não deve usar isso não está na moda, essa pessoa não combina com você, você tem que sair, você tem que estudar, você tem que trabalhar, não tá bom, tá magra demais, ta gorda demais, mude de cidade, não mude de cidade.." e não para nunca, são vozes que se não der um BASTA, podem te enlouquecer.
Por que cada uma delas vai querer que você faça uma coisa, elas se contradizem, elas brigam entre si, nunca será o suficiente, eu nunca vou agradar todas, mas a questão aqui é o que eu quero e o que me agrada, então fita crepe, cola bonder, corta o áudio!
Me desculpe, não leve a mal, mas DANE-SE ok?
A vida já é complicada demais, não complica mais, vamos cada um cuidar da sua que já é muita coisa pra fazer.
Esse é meu jeito delicado de dizer "não se metam mais".

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Parabéns e..

"Hoje é aniversário de fulano de tal."
Se esse fulano de tal tem alguma significância em minha vida vou ter que lembrar um pouco sobre algumas coisas que aconteceram, citar lições de vida e desejar as velhas baboseiras de sempre, mas isso tudo depois de um certo tempo, se tem tempo pra parar um pouquinho e analisar a situação é muito mentirosa e teatral.
Acho que no meu caso eu queria que uma pessoa, ao menos uma, fosse realmente franca comigo, me dizendo algo como:
"- Eu não vou te desejar de novo muita saúde, paz, amor, felicidade,etc.
Não vou lembrar momentos que estive contigo, nem te mandar criar juízo.
Acho que temos a nossa boa e velha memória, onde guardamos tudo que é relativamente importante e sei que o que foi pra ti já esta guardado.
Tudo que tu aprendeu até aqui foi em função do que viveu, dos teus erros e dos teus acertos e tu está exatamente onde deveria, não pense em como poderia ter sido.
O que vem daqui pra frente depende de ti e das oportunidades e contratempos que surgirem.
Esse dia não representa necessariamente mudança, não pense que vais amadurecer ou vai sentir-se terrivelmente mais velho,  amadurecimento vem com o tempo, com aprendizados, a idade mental é uma a outra  é física, nunca esqueça da existências de ambas.
O dia de hoje só muda uma coisa a sua idade na identidade, talvez você ganhe alguns direitos e perca outros.
Ou talvez chegue o dia de amanhã, você acorde e não sinta nenhuma diferença, a não ser aquele número no seu inconsciente.
Pois bem essa é uma lembrança do dia em que você veio ao mundo e venho aqui para dizer apenas que fico feliz que isso tenha acontecido, se não fosse por isto não teria conhecido, no meio de tantas curvas e ruas essa pessoa tão especial."
Talvez um pouco complexo, porém sincero e isso é o que de fato importa.

domingo, 25 de março de 2012

As mil em uma.

Toma seu banho demorado, respira fundo encharcada, transbordando inquietações.
Se enrola na toalha, atrapalhada olha no espelho, não reconhece o que vê.
Não gosta, não aceita.
Limpa a cara deslavada, tira o resto da mascara de ontem, os resíduos de uma noite que já não é tão agradável como parecia ser.
Seca o cabelo, agora se sente um pouco melhor, prende desajeitado e começa a pintar a nova mascara do dia.
Mas essa não fica perfeita.
O olho insiste em borrar, nada esconde suas cicatrizes, o batom não deixa seus lábios atraentes, o rosado de suas bochechas estão mais pra circo do que charme.
Vai a procura da tal "roupa ideal", experimenta essa, aquela, talvez esteja errando na combinação, essa me deixa gorda, a outra muito magra, essa me apaga, a outra aparece demais, essa não é apropriada, céus! não tenho roupa! desespera.
Nada é suficiente para caso encontre o alguém que se quer conhece, a quem deve impressionar caso não queira continuar em uma carência nervosa ou o que?.
Tudo dá errado, ela desiste, não sai.
Liga para as amigas, está com cólica, ou algo assim, essa desculpa sempre funciona, mas no fundo ela sabe que não quer que ninguém a veja assim, como? Quando ela se sente a pior das piores.
E neste caso minha amiga, não adianta milhares de elogios e comparações, não adianta o melhor vestido, nem mil declarações, ela precisa ficar em casa.
Por que toda mulher, ao menos, tem o dia em que acorda, olha no espelho e pensa "hoje não é meu dia", quando só queria ficar invisível ou se enfiar no primeiro buraco que achar e não me venha dizer que isso é falta de confiança, baixa auto-estima ou o escambal, isso é real, natural e faz parte da batalha árdua e incompreensível do "ser" mulher.
Mas também tem aquele dia que ela acorda apressada, nem olha no espelho, toma um banho rápido, põem a primeira roupa que vê, um lápis no olho, aquele tênis bem velho, sai correndo porta afora, esbarra em um cara na rua, ganha o olhar mais fundo e fatal e se sente a pessoa mais linda do mundo.
A beleza é relativa, como a dona da beleza se sente também é variável, então em uma mulher mora no mínimo umas mil, isso me faz pensar como pode alguns homens se enjoarem tão fácil de mil em uma?
Acho que não tem é paciência pra conhecer as várias, é só pra quem pode, só pra quem realmente merece elas se mostram, mas nunca por completo, nenhuma mulher se revela completamente.
Tomara que essa fase moderna mude logo, passe do estágio "aparência, físico e próximo!", se não será mil mulheres em uma e nada pra mostrar, sem chance, sem tempo, sem motivação.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Leve e doce.

O coração dela foi ferido.
Não de propósito, eu sei.
É a consequência da intensidade, a fatalidade.
Alguém vai sentir de uma forma ou de outra, algum dia.

Estamos predestinados a isso.
Precisamos sentir, esfriar, esquentar, transbordar.
Ir até o último pra ver no que vai dar.

Eu pago pra ver, quando sinto que não estão blefando
Mas as vezes o blefe é bem mascarado.
As vezes o golpe vêm no momento e de quem não se esperava.
E aí a minha cara de boba fica bem clara.

Os primeiros segundos são uma inundação de perguntas
Um Deus nos acuda.
Tristeza, indignação, raiva, medo, insegurança.
O mundo desaba, mas logo volta pro lugar.

Os dias, semanas, meses vão passando..

Eu vou esquecendo por que aquilo doía tanto.
Eu não lembro o motivo do choro, eu lembro do riso.
Vai transbordando compaixão e entendimento.
As razões não são claras, mas os fins são agora interessantes.

Tudo tem seu tempo, isso parece uma verdade cada vez maior.
Minha proporção neste momento é gigantesca e minimizar meu "eu" está fora de questão.
Preciso ocupar meu espaço no espaço infinito, não posso prender essa vontade.

Resta aqui um carinho pelo passado, uma sede pelo futuro, um amor ao meu presente.



sábado, 3 de março de 2012

Necessidade de mudança contínua.


 Lendo meu precioso livro "Na natureza selvagem", me deparo com a frase: "necessidade de um objetivo", foi rabiscada por McCandless, no canto de um de seus livros e ler essa frase, assim como todo o livro em voz alta e sozinha, me faz perceber que minhas ideias e aspirações pro futuro são muitas e estão definitivamente embaralhadas em minha cabeça atrapalhada, preciso organizar meus sonhos, para que possa realiza-los.
 As vezes eu sinto que penso muitas coisas diferentes ao mesmo tempo e de repente a cachóla começa a pifar, sai uma fumacinha e foge tudo, apaga a tela.
 Reinicio, mas os arquivos não foram salvos, é um tal de começar tudo outra vez, folha em branco, palavras que surgem não sei de onde e vão se encaixando..
 É essa vontade de viajar o mundo todo, de aprender conhecendo, tocando, sentindo, estando diretamente ligada ao meio que me interessa, mas tem também aquela coisa que nasceu comigo, a vontade de ser independente, me virar sozinha, mostrar pra mim mesma que sou capaz de cuidar de mim, o não ter que bater na porta dos outros, não ter o zumzumzum no ouvido, porém nem tudo são rosas e ter que ralar por tudo isso torna os ganhos mais valiosos.
 "A vida não é vida sem problemas", não é questão de graça, nem provação, nem questão de mostrar quem é mais resistente.., é uma questão de evolução.
 Evoluído é o ser que vê em seu problema a solução pra outro, uma oportunidade de crescimento, um aprendizado, o lado bom do seu pior estado.
 Claro que podem me dizer: "-Quem é tu pra falar isso? Não sabe o que é sofrer, não sabe o que é levar uns belos ponta pés da vida.."
Mas ninguém me conhece, assim como eu não conheço plenamente ninguém, eu sei dos tombos que levei, mas não preciso gritar pro mundo ouvir, não preciso que passem a mão na minha cabeça, não quero nada disso!
Eu quero mais! Mais desafios, mais tormentas, mais montanhas aparentemente impossíveis de serem escaladas, pois são nestes momentos que me sinto mais viva, que dou mais valor a vida, que vejo que a dor ainda pode existir e não pense que é o fim do mundo senti-la, tem seu lado doce também.
 Nestes momentos procuro mais a minha própria companhia e é bom refletir consigo mesma, a solidão só é completa quando não suportamos a própria presença, eu não só gosto, como necessito de minha companhia.
 Não tenho muitas certezas na vida, não sei onde vou estar e o que estarei fazendo em um ano, nessa minha pouca vivência aprendi que planejar muito o futuro pode ser muito frustrante, o caminho esta sempre mudando de acordo com nossas escolhas, atitudes, tenho a certeza de que não vou ficar parada, tenho muita energia de vida pra gastar, muitas pessoas e lugares a conhecer, quem ajudar, o que aprender, quem sabe ensinar, meu objetivo de futuro é aprender muito, sempre!
 Aprender não apenas a teoria das coisas.
 As vezes eu olho minha forma de vida, minhas opções, gostos e vejo que de alguma forma me encaixo em todos os grupos por alguma semelhança e em nenhum por não ir de acordo em vários aspectos com cada, então não sei se sou uma mistura de tudo e um pouco de mim, ou não faço parte de nada e sou uma outra coisa.
Mas enfim, muitas perguntas que um dia terão suas respostas, no momento certo.
"É muita dor pra pouca cabeça", preocupações fúteis e deixam a mente ali ainda pequena, sem uso, guardando pra não gastar os neurônios?  Quando morrer não vão servir para mais nada mesmo, não precisa  de economia, precisa de alimento, de cultura, conhecimentos.
 Vou mudar a frase: "necessidade de mudança contínua."

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

não diz o que quero ouvir.

Essa arte de acreditar em tudo que me dizem com olhos tão sinceros, está mais pra maldição.
É estranho como alguém consegue mentir olhando no fundo de seus olhos, sem piscar, sem suar, sem hesitar.
Para pessoas movidas a verdade, para pessoas que tem como combustível a emoção é impossível desmascarar uma técnica tão perfeita e desumana como esta.

Sou fraca, confesso!
Não aprendi a mentir, não aprendi nada deste jogo de enganações..
Eu queria ser forte como estas pessoas, que conseguem driblar sentimentos, que conseguem ser tão convincentes.

Pensando bem, eu não queria não!
Posso ser a pessoa mais ingênua do mundo, a última a descobrir a verdade, mas ainda assim minha consciência  vai estar sempre tranquila, eu vou dormir a noite e não ter nenhum pesadelo, eu sei que não fiz mal a ninguém e sou incapaz de fazê-lo.

O meu maior e mais importante princípio é o do respeito ao próximo, eu sei o que machuca, sei como dói, por isso não faço com o outro, eu sei que uma mentira pode aliviar no momento, mas a verdade é sempre melhor.

Calo para não falar demais.
Ouço e formulo.
Penso se é mesmo necessário dizer, com estes olhos tão expressivos.

Difícil mesmo é reconhecer quando o tato, o contato, é verdadeiro.
Se não é só mais um interesse em "entrelinhas", um joguinho de gato e rato que diverte até perder a graça.
Quando tem um algo a mais? Será que esse tal existe mesmo?

Não posso perder esse meu ar de mistério, se não, o que restaria em mim?..

O meu excesso de sinceridade, o meu silêncio e revolta, meu humor negro e impaciência, minha frieza e incompreensão..

Deixo que digam, deixo que pensem, eu sigo o rumo do não entendimento e do já não querer entender.
Deixo que façam, deixo que caiam, eu não vou ajudar a levantar este ser traiçoeiro.
Deixo que partam, deixo que voltem, mas eu já não vou lhes receber.




terça-feira, 31 de janeiro de 2012

on

 Sabe eu já crucifiquei mais de mil, por diversas vezes eu julgo mesmo, acho que sei ler mentes, penso saber exatamente o "tipo" do fulano, como ele vai agir, a culpa toda que ele tem..
Nossa, já cansei de vestir de monstro pessoas que eu nem mesmo conhecia, de sair correndo sem responder o seu "Olá!", temendo ser devorada.
Mas de repente eu me sinto mal, o monstro eu vejo no espelho e me apavoro ao perceber como meu poder de afastar pessoas com essa minha cara malvada é eficaz.
O problema são aquelas madrugadas que o tempo voa e o sono não vem, eu não sei como puxar um assunto e nem quero de fato, eu queria mesmo era entender nessas poucas horas agoniantes se existe ainda alguém que possa entender essa minha mente confusa, sem me confundir mais ainda.
Um dia eu cheguei a pensar que nesse mundo tão grande e azul, poderia haver alguém feito exatamente pra mim, que gostasse das mesmas coisas, que partilhasse de meus pensamentos, mas ai eu fui vivendo e percebendo que a cada dia tudo se complica um pouco mais, por que temos esse dom, dar nós em cordas lisas, derrubar árvores no congestionamento e ficar o dia todo irritado, buzinando e fritando, sem enxergar, pois não queremos enxergar.
As vezes eu entro em uma luta difícil, fico entre continuar acreditando que as pessoas tem um bom coração, que nem tudo é tão sujo ou simplesmente descrer de todos e viver indiferente..
A segunda opção me tenta, pois a indiferença muitas vezes toma conta de mim, mas eu tenho um lado muito carne e coração, esse lado me diz que vale a pena lutar, que por mais que obstáculos e ingratidão cruzem comigo diariamente, a cada dia eu levanto um pouco mais forte e as vezes eu me pego rindo sozinha na rua, no caminho pro trabalho.
Alguns fardos deixados com muita dor pelo caminho, te deixam bem mais leve e  permitem o parar, olhar novamente no espelho, ver tudo que tem que ser mudado e começar uma faxina interna e externa, no corpo e na alma.
Um recesso sentimental de vez em quando é bem vindo, não se prender, nem desprender, se permitir conhecer, provar da liberdade, provar do mundo.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

seu ir e vir

Me caiu um botão da blusa
seu penteado já acusa
vais sofrer é de paixão

Mas não fiques triste não
a vida é mesmo assim.

Que hei eu de fazer?
Que tu farás?

Vamos aceitar os fatos
sem contestar,
estou cansada de declamar palavras
macias em vão.

A rua me molhou com sua chuva
Cheguei a ameaçar abrir um sorriso
Mas logo lembrei que ninguém vai
me alcançar a toalha  pela porta

Ninguém vai secar meus pingos
Ninguém vai me aquecer quando o frio bater
O sorriso se conteve, deu meia volta e acenou.

Que se dane suas poses
Pro raio com os melodramas
Faça mais silêncio por favor!

Quero escutar minha respiração
Quero esquecer de pensar
Quebre o relógio e me deixe dormir

Dê-me uma caneta e saia daqui!

Eu corri atrás do sorriso
Sequei meus próprios pingos
Me aqueci naquele velho cobertor

A menina não está aqui
Mas ela sabe aonde ir.












"Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente. A gente muda o mundo na mudança da mente. E quando a mente muda, a gente anda pra frente E quando a gente manda, ninguém manda na gente. Na mudança de atitude não há mal que não se mude, nem doença sem cura.Na mudança de postura a gente fica mais seguro.Na mudança do presente a gente molda o futuro.."


Gabriel o Pensador