quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

ela



E outra vez ela se perdeu em pensamentos.
Outra vez fixou seus olhos em um ponto qualquer e mergulhou em um mar de lembranças estranhas e melancólicas.
Seu rosto mantinha formas serenas e um sorriso distante, mas seu olhar este sim trasbordava incertezas e fatos tristes.
Quem a via na rua, assim de passagem, não podia se aproximar em imaginação, da estranha e atordoada vida que ela transportava pelas ruas vazias e cinzentas da cidade grande.
Ela era nova , era o que a identidade e o povo dizia.
Mas sua alma aparentava ganhar cem anos por dia.
Não transparecia, mas tinha medo das pessoas,dos sentimentos e principalmente de sua aparentemente eterna solidão.
Diziam que ela era fria, mas seu coração fervia, não enxergavam a paixão que ela tinha no coração, queria abraçar, queria beijar, queria apertar a mão de todos e dizer como eram especiais e importavam, mas seu medo impedia.
Medo das reações, medo de rejeições, medo de pessoas vazias, medo de ser oficialmente condenada a solidão.
Ela tentava entender por que passava por tantas provas de coragem, resistência e perseverança.
Tentava entender por que sempre ao se levantar , caia novamente.
Pensava que talvez , seria essa a conta atrasada de uma vida passada.
Não fazia questão de expor seus receios, seus pesadelos reais e diários, aos outros.
Não queria, não precisava, não suportaria um olhar , ou uma mera palavra de pena, um mero comentário sem nexo de preocupação.
Sabia muito bem que os "conte comigo" morriam ao mesmo tempo que ganhavam vida em forma de voz.Inconscientemente , quem dizia, não tinha a mínima intenção de ajudar.
Não precisou crescer muito para perceber, que cairia inúmeras vezes e ninguém além dela mesma, juntaria forças pra levantá-la.
Ninguém guardaria melhor seus segredos, ninguém a consolaria melhor, ninguém lutaria tanto por ela, ninguém a daria esperanças , além daquela pessoa a quem ela pode chamar "eu".
Ela logo aprendeu a não esperar mais que um "nada" dos outros, aprendeu a não conhecer a palavra "expectativa", aprendeu a cuidar de si.
Nunca esperou que os outros fizessem algo por ela, pois sabia que o nome de cada um vem sempre em primeiro lugar.
Aprendeu a ignorar a indiferença, a inveja e o egoísmo.
Aprendeu a separar sua mente, deixa-la intacta, a não deixar que os problemas cheguem até ela e assumam o controle.
Ela me disse que um cachorro é mais fiel e amigo que todos os homens.
Em plena multidão ela sorri, faz graças, conta piadas, interage.
Ninguém pode imaginar, ninguém deve perguntar, ninguém ousa conhecer, a verdadeira pessoa que mora ali, a verdadeira luta , o verdadeiro "projeto de vida".
Quais são seus planos pro futuro?
Ela não respondeu o que sua mente queria, a resposta só elas sabem, a resposta guardou pra si.
Mas agora te digo aqui, ela quer ser feliz, não importa onde,quando,ela não quer ficar sozinha, ela não quer deixar a vida destruir seus doces sonhos coloridos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário







"Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente. A gente muda o mundo na mudança da mente. E quando a mente muda, a gente anda pra frente E quando a gente manda, ninguém manda na gente. Na mudança de atitude não há mal que não se mude, nem doença sem cura.Na mudança de postura a gente fica mais seguro.Na mudança do presente a gente molda o futuro.."


Gabriel o Pensador